Os #5 critérios para saber o valor da sua ideia

Quanto vale a sua ideia? Pra começar o nosso bate-papo, eu posso te dizer – “Olha, sua ideia ainda não tem valor. Se você não tem nada estruturado e testes feitos, sua ideia continua sendo apenas um insight”. E eu também posso te responder de uma forma mais direta, que muitas vezes ajuda a tomar novas atitudes – Não vale nada!

Sim, parece uma ducha de água fria no meio do inverno, mas é a mais pura verdade que pessoas com mais chances de sucesso fazem bem e seguem. Numa rápida analogia, as pessoas tomam um banho dolorido e necessário, vestem a roupa e partem para o ataque do dia a dia.

O que eu quero discutir com você neste artigo tem relação sobre o valor de ideias e Startups, para que você tome as melhores atitudes. Essa é uma questão muito interessante que veio do livro SEM DINHEIRO – COMO CONSTRUIR UMA STARTUP COM POUCA GRANA e que deixou muitos dos meus seguidores curiosos com esta questão.

OK! Até aqui você já sabe que apenas um insight não quer dizer nada. Então, vamos aos pontos importantes para avaliação de um negócio em potencial.

#1 – Equipe

Este é o primeiro critério que grandes investidores analisam! Perceba que não se trata da questão da ideia em si, mas, sim, de quem está lá para fazer acontecer. O mercado muda suas tendências com facilidade, consequentemente as ideias também, e quem é que pode fazer isso? Somente um ótimo time! Por isso, quem quer investir e sabe como investir, olha essa questão em primeiro lugar.

Esse artigo lhe ajuda muito a ir mais a fundo na questão - 3 DICAS PARA ESCOLHER AS PESSOAS COM QUEM EMPREENDER!

#2 – Mercado

Aqui entramos em uma área um pouco mais vasta, que geralmente desenvolve uma análise de tamanho e potencial. Grande parte da avaliação de ideias iniciais está relacionada em quantas pessoas ela pode ajudar. É basicamente como se você analisasse que público se beneficiará com o investimento. Quem será ajudado? Se vai ajudar apenas sua família ou uma comunidade muito grande de pessoas. Esse é um ponto chave: quanto mais gente sua ideia REALMENTE puder ajudar, mais ela tem valor. A questão de potencial significa que a possibilidade desse mercado crescer é grande, e sua abrangência também deixa a ideia mais valiosa.

#3 – Poder de operação

É maneiro pensar numa solução super maravilhosa para as pessoas, mas isso entra em choque com o tempo de espera. Às vezes, a ideia pode demorar, custar caro ou ser complexa demais para se realizar.

Quando uma ideia é avaliada e são identificados os pontos estratégicos daquilo que precisa ser feito, aquele controle de quanto e como vai funcionar para entregar resultados, torna-se uma ação muito importante. Não estou falando de ser a melhor solução e sim de envolver uma ótima solução que seja possível de entregar.

#4 – Diferencial

Aqui entra uma cereja do bolo: o que tem de diferente naquilo que você está propondo?

Talvez seja um processo melhor para criar determinado produto, agregar um serviço especial que poucos sabem como fazer, ou é realmente uma nova solução. Obvio que quanto mais única, original e promissora sua ideia for, maior será o valor dela perante investidores.

#5 – Canais

Eis um ponto fundamental que citei muito no livro SEM DINHEIRO. Os canais são nada mais, nada menos que suas conexões. Quem você pode acessar para fazer essa ideia fluir? Quem é que influencia diretamente no valor da sua ideia? Isso permite aumentar a propensão dela acontecer e ter sucesso. No início do negócio o mais difícil é começar a gerar uma demanda real e constante de clientes, e o networking é muitas vezes o passo chave para isso acontecer.

O QUE VOCÊ TRAZ A MESA?

Esses tempos fiz um vídeo (link para o vídeo aqui) sobre as pessoas que procuram as outras para investirem em suas ideias, mas apenas com um insight. A questão é que para você pedir algo, precisa ter algo também, apenas uma percepção de mercado não é nada, e foi justamente assim que começamos o artigo... Entender isso é começar a ter mais consistência para empreender, ser levado mais a sério e aumentar suas chances de conseguir evoluir.

Faça essas perguntas: o que eu tenho a oferecer? O quanto a minha ideia tem desses fatores que citei a cima? E os outros que citei no livro? O quanto tenho a oferecer para que as pessoas também precisam para colocar muito valor nesse negócio que me permite equilibrar o “capital social”?

Não tenha medo se a resposta for – “Ainda tenho muito pouco”. Ok, é melhor saber disso e começar a trabalhar, do que ficar se enganando e não entender porque as coisas não estão dando certo, como muita gente por aí.

Empreender é uma AÇÃO em direção a um sonho, não apenas o sonho.

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário